24 de nov de 2011

Solidão de Lobos


Lobos noturnos
Ou amanhecidos
Aquecidos pela Lua ou pelo Sol
Auroras encantadas,
Assanhadas, despudoradas,

O uivo sedutor, perdido, desolado
Em madrugadas cantantes e frias,
A poesia maldita cortou a garganta,
Engoliu a saliva e seguiu errante
Como alma amante, e o soluço da fera
Aprisionada nos portais da Lua,

Recolhendo a dor, uivando na imensidão,
Feridos, alimentados pela paixão, ilusão,
Estamos como lobos...
Castos, embriagados e loucos,

Comemos a noite com sofreguidão
Lambemos a Lua, beijamos o Sol,
Desejos saciados, almas em cio,
Uivos silenciosos, noites de arrepio,
Corpos suados, gozo febril,
Do universo céu à imensidão anil,

Feras nuas... noites vãs... febre e paixão
Somos assim, mente e coração,
Jogando com o não e o sim,
Mas sempre o fim...
Lobos em solidão!

Paulo Carvalho